Production
https://prod.org.br/article/doi/10.1590/S0103-65132004000300002
Production
Article

Forclusão do feminino na organização do trabalho: um assédio de gênero

Female foreclusion in work organization: gender harassment

Pezé, Marie-Grenier

Downloads: 0
Views: 545

Resumo

Neste artigo é proposta uma discussão para ajudar a compreender a temível eficácia do assédio moral no trabalho. Para tanto é discutida a questão da construção "identitária", que depende do reconhecimento que se dirige sobre o fazer, a identidade é inseparável dos gestos técnicos efetuados pelo sujeito. Esta também é uma questão de gênero de pertencimento a um sexo. Em psicodinâmica do trabalho, uma atenção particular é dada à construção dos coletivos de trabalho que soldam um grupo em torno de regras da profissão. A cooperação necessita um ajustamento dos procedimentos singulares de execução da tarefa, mas também uma confrontação de posições éticas de cada um, sobre a base de uma confiança partilhada e, portanto, de uma cooperação possível. Entretanto o assédio moral se tornou uma verdadeira estratégia de gerenciamento, baseada na radicalização das novas formas de organização do trabalho que favorecem a virilidade defensiva, que parecem ter transformado profundamente as relações nos grupos de trabalho e radicalizado os sistemas de defesa construídos para resistir.

Palavras-chave

Psicodinâmica do trabalho, organização do trabalho, assédio moral, gênero, construção "identitária"

Abstract

This paper proposes a discussion to help understand the fierce efficacy of moral harassment in the workplace. For this, the issue discussed is that of identitary construction, which depends on the acknowledgement directed on doing, since identity is inseparable of the technical gestures conducted by the subject. This is also a gender issue, of belonging to a sex. In work psychodynamics, a special attention is given to the construction of work collectives which weld a team to professional rules. Cooperation needs an adjustment of particular procedures for carrying out a task, but it is also a confrontation of each individual's ethical positions, based on shared trust and, therefore, of possible cooperation. Nevertheless, moral harassment became a real management strategy, based on the radicalization of the new forms of work organization which favor defensive virility, which seem to have deeply transformed the relationships within the work teams and radicalized the defense systems built to resist it.

Keywords

Workplace psychodynamics, work organization, moral harassment, gender, identitary construction

References



DAVEZIES P. Eléments de psychodynamique du travai. Education Permanente, 116, 1993.

DEJOURS C. Le masculin entre sexualité et société. Adolescence, Masculin, 6, n. 6, 1988.

DEJOURS C. Travail usure mentale. Paris: Bayard, 1993.

DEJOURS C. Doctrine et théorie en psychosomatique. Revue Française de Psychosomatique, 7, 1995.

DEJOURS, C.; Dessors, D.; Molinier, P. Comprendre la résistance au changement. Documents du médecin du travail, INRS, 58, 1994.

DEJOURS C. Souffrance en France. Paris: Seuil, 1999.

DRIDA, M.; ENGEL, E.; Litzenberger, M. Du harcèlement ou la violence discrète des relations de travail. Actes du 2ème CIPPT, Paris, 1999.

HIRIGOYEN, M-F. Le harcèlement moral. Paris: Syros, 1998.

MOLONIER, P. Psychodynamique du travail et précarisation: La construction défensive de la virilité. Précarisation sociale, travail et santé. CNRS/IRESCO, 1997.

PARAT, C. A propos de la répression. Revue Française de Psychosomatique. n. 1, 1991.

PEZÉ, M. Corps érotique et corps au travail: les hommes de métier. Travailler, n. 1, 1998.

5883a4077f8c9da00c8b474f 1574685864 Articles
Links & Downloads

Production

Share this page
Page Sections