Production
https://prod.org.br/article/doi/10.1590/S0103-65131994000300001
Production
Article

Medida e desmedida: padronização do trabalho ou livre organização do trabalho vivo?

Lima, Francisco de Paula A.

Downloads: 0
Views: 353

Resumo

Com a mais nova moda administrativa - a "gerência da qualidade total" (GQT) -, vemos reaparecer velhas técnicas de organização do trabalho e da produção, agora retocadas para servirem a esta ideologia gerencial que se pretende "humanista" e "democrática". Dentre as várias técnicas (algumas delas de comprovada utilidade), até mesmo a "padronização" de inspiração taylorista foi recuperada e "maquiada" para poder se adequar aos nobres princípios da qualidade total; no entanto, sem que se desse muita atenção para a contradição inerente a esta técnica de fundo positivista e reducionista, na medida em que ela procura enquadrar a complexa realidade de uma prática viva em normas ou padrões fixos. Neste artigo discute-se a validade e a efetividade da padronização do trabalho, nos moldes da GQT, confrontando-a com análises de situações reais. Após esclarecidos seus princípios essenciais e determinada sua filiação taylorista, é mostrado como o trabalho vivo se presta pouco á padronização, isto é, para ser verdadeiramente efetivo e criativo o trabalho deve necessariamente "transgredir" normas e padrões, instituindo sua própria lógica operativa, na medida em que o permite as relações sociais de produção vigentes. Pode-se, então, a partir deste confronto entre os objetivos da padronização e a realidade do trabalho, concluir pela ineficiência das práticas normativas, cujo caráter burocrático e burocratizante decorre do papel limitado que a atividade administrativa, em geral, desempenha no interior da totalidade social e de sua consciência deturpada sobre a natureza da produção e sobre a sua própria natureza. Ao contrário, ajusta relação entre "padrão" e "criação" não é apenas uma questão teórica mas também prática, que só pode ser resolvida no interior da livre organização dos produtores associados, condição indispensável para a auto-regulação da prática coletiva pelos próprios indivíduos que trabalham.

Palavras-chave

qualidade total, padronização, ergonomia, trabalho vivo

References



CAMPOS, V.F.Padronização de empresas. Belo Horizonte, Fundação Christiano Ottoni, 1992a

CAMPOS, V.F.TQC: controle da qualidade total. Belo Horizonte, Fundação Christiano Ottoni, 1992b

COELHO, M.I. de M. & XAVIER, G. G. "Padronização como elaboração participativa e crítica dos profissionais". In: BARBOSA et al.Gerência da qualidade total na educação. Belo Horizonte, Fundação Christiano Ottoni, 1993.

CORIAT, B. Penser à l'envers. Paris, Christian Bourgeois, 1991.

DORAY, B.Le taylorisme, une folie rationnelle? Paris, Dunod, 1981.

HELLER, A.Mas allá de la justicia. Barcelona, Editorial Critica, 1990.

La TAILLE, Y. et al.. Piaget, Wygotsky, Wallon. São Paulo, Summus, 1992(3a ed. ).

LIMA, F.P.A."Qualidade Total e reorganização produtiva". Anais do XIII ENEGEP. Florianópolis, 1993.

LUKÁCS, G.Socialisme et démocratisation. Paris, Editions Sociales, 1989.

MANDEL, E. Socialismo x mercado. São Paulo, Ensaio, 1991.

MONTMOLLIN, M de.Le taylorisme à visage humain. Paris, PUF, 1981.

MORAES NETO, B.Marx, Taylor e Ford. São Paulo, Brasiliense, 1989.

OFFE, C. Trabalho e sociedade. Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro, 1989.

SCHWARTZ, Y. Expérience et connaissance du travail. Paris, Editions Sociales, 1988

TAYLOR, F.W.Princípios de administração científica. São Paulo, Atlas, 1970.

TERSSAC, G. de & DUBOIS, P. (org) Introduction à Les nouvelles rationalisations de la production. Toulouse, Cépaduès Editions, 1992.

THOMPSON, J.B. & HELD, D.Habermas, critical debates. London, MacMillan Press, 1982.

WYGOTSKY, L.S.Pensée et langage. Paris, Editions Sociales, 1985.
5883a4277f8c9da00c8b47e8 1574685864 Articles
Links & Downloads

Production

Share this page
Page Sections