Production
https://prod.org.br/article/doi/10.1590/0103-6513.125513
Production
Article

Construção de uma escala para medir o nível dos colaboradores para a prática da Melhoria Contínua em uma organização por meio do modelo de resposta nominal da TRI

Construction of a scale to measure the level of employee commitment in the practice of continuous improvement in an organization through the nominal response model of TRI

Milnitz, Diego; Tubino, Dalvio Ferrari

Downloads: 0
Views: 67

Resumo

Esta pesquisa oferece uma discussão sobre a construção de uma escala para medir o nível dos colaboradores para a prática da Melhoria Contínua dentro de uma organização. O desenvolvimento desta foi possível por meio da utilização de um instrumento de medida constituído de 34 itens embasados no conceito de Melhoria Contínua e aplicados em uma amostra de 519 colaboradores pertencentes a uma organização industrial. A seguir os dados foram avaliados estatisticamente pela Teoria de Resposta ao Item (TRI), mais precisamente por meio do modelo de resposta nominal. Como resultado, conseguiu-se a equalização entre os itens aplicados e os scores dos colaboradores pesquisados, permitindo o desenvolvimento de uma métrica com distintos níveis para a prática da Melhoria Contínua. As decorrências estratégicas derivadas deste resultado são muito importantes, pois na medida do traço latente a aplicação da TRI permitiu fazer uma avaliação do fenômeno em estudo com mais precisão e consistência, fornecendo assim, informações relevantes para a tomada de decisões dentro da organização pesquisa.

Palavras-chave

Melhoria contínua, Organização industrial, Métrica

Abstract

This research provides a discussion of the construction of a scale to measure the level of employee commitment in the practice of continuous improvement within an organization. The development of this scale was enabled by the use of a measuring instrument consisting of 34 items guided by the concept of continuous improvement applied to a sample of 519 employees of the organization. The data were analyzed using statistical tools, such as the item response theory, specifically via the nominal response model. As a result, the equalization could be applied between the items, and the scores of individuals could be studied, allowing for the development of a metric with different levels for the practice of continuous improvement. The strategic outcomes are very important because the application of latent trait IRT has allowed for an assessment of the phenomenon under study with more accuracy and consistency, thus proving relevant for decision making within the research organization information.

Keywords

Continuous improvement, Industrial organization, Metric

References

Araujo, E. A. C., Andrade, D. F., & Bortolotti, S. L. V. (2009). Teoria da resposta ao item. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 43, 1000-1008.

Beaton, A. E., & Allen, N. L. (1992). Interpreting scales through scale anchoring. Journal of Educational Statistics, (17), 191-204.

Bessant, J., Caffyn, S., & Gallagher, M. (2001). An evolutionary model of continuous improvement behavior. Technovation, 21(2), 67-77. http://dx.doi.org/10.1016/S0166-4972(00)00023-7.

Bessant, J., Caffyn, S., Gilbert, J., Harding, R., & Webb, S. (1994). Rediscovering continous improvement. Technovation, 14(1), 17-29. http://dx.doi.org/10.1016/0166-4972(94)90067-1.

Bhuiyan, N., & Baghel, A. (2005). An overview of continuous improvement: from the past to the present. Management Decision, 43(5), 761-771. http://dx.doi.org/10.1108/00251740510597761.

Bock, R. D. (1972). Estimating item parameters and latent ability when responses are scored in two or more nominal categories. Psychometrika, 37(1), 29-51. http://dx.doi.org/10.1007/BF02291411.

Bortolotti, S. L. V., Moreira Junior, F. J., Bornia, A. C., Sousa Júnior, A. F., & Andrade, D. F. (2012). Avaliação do nível de satisfação de alunos de uma instituição de ensino superior: uma aplicação da teoria da resposta ao Item. Gestão & Produção, São Carlos, 19(2), 287-302. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-530X2012000200005.

Brannen, M. Y., Liker, J. K., & Fruin, W. M. (1998). Recontextualisation and factory-factory knowledge transfer from Japan to the US: the case of NSK. In J. K. Liker, W. M. Fruin & P. Adler (Eds.), Remade in America: transplating and transforming Japonese management systems (pp. 117-153). New York: Oxford Press.

Caffyn, S. (1999). Development of a continuous improvement self-assessment tool. International Journal of Operations & Production Management, 19(11), 1138-1153 .

Chaves, N. M. D. (2005). Caderno de campo das equipes de melhoria contínua (1 ed.). Nova Lima: INDG Tecnologia e Serviços.

Cole, R. E. (2001). From continuous improvement to continuous inovation. Quality Management Journal Berkeley, 8(4), 1051-1056.

Filippini, R. (1997). Operations management research: some reflections on evolution, models and empirical studies in OM. International Journal of Operations & Production Management, 17(7-8), 655-670. http://dx.doi.org/10.1108/01443579710175583.

Gil, A. C. (1996). Como elaborar projetos de pesquisa (3 ed.). São Paulo: Atlas.

Harrison, A. (2000). Continuous improvement: the trade off between self-management and discipline. Integrated Manufacturing Systems, 11(3), 180-187. http://dx.doi.org/10.1108/09576060010320416.

Harrison, A., & Storey, J. (1996). New wave manufacturing strategies: operational, organizational and human dimensions. International Journal of Operations & Production Management, 16(2), 63-76. http://dx.doi.org/10.1108/01443579610109848.

Hernandez, J. M. C., & Caldas, M. P. (2001). Resistência à mudança: uma revisão crítica. RAE - Revista de Administração de Empresas, 41(2), 31-45.

Jha, S., Noori, H., & Michela, J. L. (1995). The dynamics of continuous improvement. International Journal of Quality Science, 1(1), 19-47.

Martins, P. G., & Laugeni, F. P. (2006). Administração da produção. São Paulo: Saraiva.

Meijer, R. R. (2003). Test scoring. Applied Psychological Measurement, 27(1), 75-77. http://dx.doi.org/10.1177/014662102237799.

Mesquita, M., & Alliprandini, D. H. (2003). Competências essenciais para melhoria contínua da produção: estudo de caso em empresas da indústria de autopeças. Gestão & Produção, 10(1), 17-33. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-530X2003000100003.

Miguel, P., Martins, R., Iarozinski, A., Mello, C., Nakano, D., Batista, E., & Vianna, W. (2009). Desafios para a metodologia de pesquisa em engenharia de produção. tópicos emergentes e desafios metodológicos em engenharia de produção: casos, experiências e proposições. Rio de Janeiro: ABEPRO.

Oprime, P. C., & Lizarelli, F. L. (2010). Relação entre estrutura para melhoria contínua e desempenho e estrutura organizacional. Revista Produção, 10(2), 250-273.

Recht, R., & Wilderom, C. (1998). Kaizen and culture: on the transferability of Japanese suggestion system. International Business Review, 7(1), 7-22. http://dx.doi.org/10.1016/S0969-5931(97)00048-6.

Reckase, M. D. (1979). Unifactor latent trait models applied to multifactor tests: results and implications. Journal of Educational Statistics, (4), 207-230.

Richardson, R. J. (1989). Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas.

Ritzman, L. P., & Krajewski, L. J. (2004). Administração da produção e operações. São Paulo: Prentice Hall.

Shiba, S. (1997). TQM: quatro revoluções na gestão da qualidade. Porto Alegre: Bookman.
5883a45e7f8c9da00c8b48cb production Articles
Links & Downloads

Production

Share this page
Page Sections